23 de mai de 2014

Meus primeiros dias no Instituto Precisa

Quando minha mãe fez 70 anos, senti vontade de voltar para casa e aproveitar mais tempo com ela. Estava a três horas de casa, trabalhando em uma fábrica de sal e subia a serra de Petrópolis não mais do que 3 fins de semana por ano. Mas voltar para a serra não era decisão muito simples para quem trabalhou na indústria a vida inteira. As opções de trabalho se resumiam a comércio e cursos de inglês e foi necessário um acidente de bicicleta para que a recuperação de uma cirurgia no joelho na casa de minha mãe me fizesse ficar.

Comecei a trabalhar em um curso profissionalizante mas não demorou muito, recebi o convite de Suely Valente para trabalhar no Instituto Precisa, ONG de meio ambiente com ênfase em produção e consumo sustentáveis. Suely, engenheira química com vasta experiência em indústrias, criou a ONG para divulgar informações sobre os desafios da gestão dos resíduos. Quem conhece a Suely, lembra dela sempre que toma xarope. "Por que precisam vender todo xarope com copinho medidor. A gente não pode deixar um guardado em casa? Precisa?"

Suely trabalha com sistemas de gestão ambiental, buscando as melhores soluções para estações de tratamento de despejos industriais e gestão de resíduos sólidos para indústrias e acredita que se os consumidores conhecerem os desafios enfrentados para o tratamento correto dos resíduos, farão escolhas mais adequadas em suas compras diárias. Uma vez, recebeu a reclamação de um reciclador sobre caixas de ovos cor-de-rosa: "Dona Suely, avise as pessoas que essa cor na embalagem dificulta a reciclagem. Precisa ser cor-de-rosa? Precisa?" Pois é, não precisa. E é isso que fazemos no Instituto Precisa. Em contato constante com indústrias e recicladores, buscamos informações atualizadas sobre os desafios da reciclagem.

Quer saber um pouco sobre isso: Precisa ser assim?

Quer saber um pouco sobre nós:  colaboradores do Instituto Precisa 


Adelia Di Buriasco
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário